31 janeiro 2009

Proposta de Manifesto da CACAV (1996)

Agora que a CACAV inicia uma nova fase de vida, sobretudo, com a definitiva consolidação do Projecto da Escola Aberta Agostinho da Silva, deixo aqui publicado o Manifesto elaborado faz mais de uma dúzia de anos, porque de alguma forma refere simultaneamente uma crítica e uma ambição que agora aqui se renovam, pese muito embora o passar dos tempos.

Manifesto Crítico (direi eu agora)

Ó canto da Alma Estremenha
parte das partes
que te engalas e enlevas na Lua-Cheia:
mais do que o sonho desejado és realidade
a nueza crua da vida
mas que sendo real és sonho.

Ó anseio de transcendência
de amantes artistas que te rendem,
(quase) deserto de moças em teu cólo:
que queres dos rapazes que carregas
que pensas das palavras que constróis
que sons te produzem por detrás das palavras
de que Mantra és tu?

Ó poeta bailarina das esquinas
bêbeda cambaleante de salões
modesto vislumbre de políticas:
és o Jardim adiado de Alhos Vedros
o impossível pinhal (re)plantado
um bairro de renovadas capelas.

Ó poema com falta de poesia
Ó pintura de meios tons
Ó música desinspirada de cores:
porque te trazes tão despida
porque só te encontras depois de esquecida
porque tão bem e friamente te assumes?

És assim só e triste
um rasgo que avança outro que desiste
pássaro de envergonhadas plumas:
reverso reflexo do reverso
a parte detrás do cú
invejosamente consegues ser tu.

(inspirado numa conversa com o Croca sobre o futuro da CACAV)
in, Luis Carlos dos Santos, Oxitocina, Ed. Casa de Estudos de Alhos Vedros (CEAV), 1996.

OXITOCINA, (Poesia e Prosa), 1996


Oxitocina - Substância química produzida no cérebro e corpo dos mamíferos, hipotálamo, no primeiro caso, e ovários e testículos, no segundo. Libertado para regulação do metabolismo - pelo cérebro -, e pelo corpo, durante o parto, durante a estimulação sexual ou no orgasmo. O seu efeito não fica em nada atrás do efeito dos elixires lendários. Facilita as interacções sexuais e induz a ligação entre os parceiros amorosos.
(in, António Damásio, O Erro de Descartes, Publicações Europa-América)

30 janeiro 2009

Evangelho segundo S. Marcos 4,21-25.

Disse-lhes ainda: «Põe-se, porventura, a candeia debaixo do alqueire ou debaixo da cama? Não é para ser colocada no candelabro? Porque não há nada escondido que não venha a descobrir-se, nem há nada oculto que não venha à luz. Se alguém tem ouvidos para ouvir, oiça.» E prosseguiu: «Tomai sentido no que ouvis. Com a medida que empregardes para medir é que sereis medidos, e ainda vos será acrescentado. Pois àquele que tem, será dado; e ao que não tem, mesmo aquilo que tem lhe será tirado.»

Da Bíblia Sagrada

29 janeiro 2009


"Uma flor,
uma simples flor
que eu colhi
por estar a pensar em ti."

(autor desconhecido)

que Língua será esta? Será uma variante Lusófona?

video

27 janeiro 2009

pássaro de luz


Luis Santos

A EMPRESA DO FUTURO

Reflexões sobre o dia a dia

O mundo ocidental está dominado por uma economia de tipo capitalista, onde um número reduzido de grandes multinacionais têm uma influência determinante na organização socio-económica. O aumento do desemprego escapa-se ao controlo dos governos e a sua capacidade para alterar o rumo da situação torna-se cada vez mais difícil. As ajudas sociais ganham cada vez maior importância no mundo moderno, ao possibilitar a sobrevivência de uma grande franja populacional.

Como a percentagem da população activa está a diminuir, o dinheiro dos impostos canalizados para a segurança social começa a escassear, o que num futuro próximo se poderá traduzir num crescimento significativo da pobreza. O espectro da fome instala-se no horizonte. Torna-se urgente o aparecimento de novas formas de organização sócio-económica que garantam os mínimos de subsistência aos mais desfavorecidos. Novos equilíbrios, lentamente, se irão delineando no dia a dia, de modo a colmatar as necessidades mais prementes. A opressão aumentará, por parte de uns, tal como acontecerá com a contestação, por parte de outros. Muitos não se aguentarão, tal como já hoje acontece nos países mais pobres (e não só). Não esquecer que segundo dados da ONU morrem, diariamente, centenas de pessoas à fome com as crianças largamente à “frente do pelotão”.

E, no entanto, será daqui que surgirá a Nova Era. Com o aumento do desemprego, que gerará roubo e violência, com muita agressividade no ar, surgirão também grupos/indivíduos com maior inteligência criativa, porque terão mais tempo livre para pensar, que irão também eles influenciar os nossos dias. E aqui surgirão aquilo que por nós se chamam de “Empresas do Futuro”, umas ainda capitalizando, outras já funcionando gratuitamente, de acordo com as necessidades das pessoas que as compuserem.

Nascer do dia de 15/10/95

(Nota: Duas pequenas expressões mais inusitadas que não resistiram ao passar dos tempos foram actualizadas pelo autor).

23 janeiro 2009

Enviaram-me isto. Fiquei boquiaberto. Será verdade?

Paixões no Presente, Saudades do Futuro (Poemas), 1995



Agarro o pensamento
e paro por um pequeno momento
o tempo.
Dobro e redobro o papelinho,
guardo (a ideia) na carteira
e espero que a inspiração
dure a semana inteira.


Janeiro de 1995

14 janeiro 2009

13 janeiro 2009

Não há "israelitas" nem "palestinianos", por António Vilarigues

Em 1947, a ONU aprova um plano de partilha da Palestina em dois estados: um judaico, com um milhão de habitantes, 510 mil dos quais árabes; um árabe, com 814 mil habitantes, 10 mil dos quais judeus.

Jerusalém, cidade santa para três religiões, ficaria com estatuto de cidade internacional. Segundo as estimativas da época, a população árabe da Palestina era de um milhão e 300 mil pessoas e a judaica rondava o meio milhão.

A 15 de Maio de 1948, David Ben Gurion proclama o nascimento do Estado de Israel. Com uma fronteira radicalmente diferente da aprovada pela ONU. Com um território um terço superior ao acordado. A "Grande Israel" estava em marcha. O Estado Palestiniano era um nado-morto. Até hoje!

No seguimento destes acontecimentos, a ONU aprova, em 1949, a Resolução 194, que decide permitir aos refugiados que o desejem o regresso às suas casas com direito a compensações pela destruição dos seus bens. Só que em 1948, David Ben Gurion, então primeiro-ministro, declarou: "Devemos impedir o seu regresso a qualquer preço". Hoje são mais de três milhões.
Na sequência da Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel ocupa o resto da Palestina (Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém-Leste). Ao arrepio da Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, nesse mesmo Verão a colonização dos territórios ocupados começa com a construção de novos colonatos. Lucidamente, David Ben Gurion defende a não colonização, prevendo as consequências da transformação do seu país em potência ocupante. Hoje existem mais de 200 mil colonos instalados em colonatos nos territórios ocupados.

Esta é a raiz real e profunda do conflito. Só com a retirada do exército israelita para as posições anteriores às ocupações de 1967 e a destruição do muro; só com o desmantelamento de todo o sistema de colonatos israelitas; só com o fim do cerco a Gaza; só com a solução da questão dos refugiados palestinianos de acordo com as resoluções da ONU, só com o reconhecimento do direito do povo palestiniano à edificação do seu Estado, livre, independente e viável com capital em Jerusalém Leste, lado a lado com Israel; só verificadas todas estas condições é que poderemos falar de uma real paz justa e duradoura na região.

Em Israel e no campo palestiniano todos os intervenientes políticos o sabem. Dos dois lados há quem lute consequentemente por esta solução. Dos dois lados há quem a procure destruir e inviabilizar.

A chamada comunidade internacional omite que, quer na sociedade israelita, quer na sociedade palestiniana, há forças sociais e políticas bem diferenciadas. Esconde que há radicais dos dois lados da barricada. E moderados. E forças consequentes. Fala do terrorismo palestiniano, que é real. Mas aceita de bom grado chefes de Governo terroristas (Begin, Shamir, Sharon) que afirmam alto e bom som que primeiro há que matá-los (os palestinianos) para só depois negociar. Que proclamam que a Palestina é a Jordânia. Aceita governos de Israel onde participam partidos, com vários ministérios, que, em palavras e actos, negam TODOS os direitos aos palestinianos.

Há quem seja incapaz de ver os acontecimentos de forma diferente da redutora divisão entre bons de um lado e maus de outro. Felizmente há outros exemplos. Como o professor Richard Falk, relator especial do Conselho dos Direitos Humanos da ONU. Como Daniel Barenboim e Mariam Said, os promotores da paz através da música. Como o PC de Israel e a Frente Democrática para a Paz e a Igualdade que nestes dias se reuniram em Ramalah com representantes de facções da esquerda palestiniana, incluindo a Frente Democrática para Libertação da Palestina, a Frente Popular para a Libertação da Palestina e o Partido do Povo Palestino (comunistas). Como os militares que se recusam a disparar e a bombardear a Palestina. Como tantos e tantos outros que em Israel e na Palestina defendem um processo de paz genuíno. O trágico, dizem, é que isto é possível. Só é preciso querer.

12 janeiro 2009

História Trágica com Final Feliz (VER MAIS)

Sabia que o mais celebrado filme português de sempre é de animação e que conta com dezenas de prêmios em todos os Continentes? Trata-se da curta-metragem História Trágica com Final Feliz, da realizadora/diretora portuguesa Regina Pessoa

Durante 7 minutos e 46 segundos, seguimos uma menina que não é igual às outras pessoas. O traço que a difere (um coração que por bater demasiado depressa, faz muito barulho) não só incomoda a comunidade à qual pertence, como se traduz num profundo sofrimento individual. A comunidade reage à diferença com intolerância e a menina reage com o isolamento. Com o decorrer do tempo, a comunidade acaba por se habituar insensivelmente à presença da diferença, distanciando-a, mas também integrando-a na voragem do seu quotidiano.
O filme animado foi adotado no Canadá, pelas escolas, num programa que foca a problemática da adolescência.Em França, o filme é também apresentado nas escolas para falar do cinema e dos seus aspetos mais técnicos.E em Portugal ou no Brasil, o filme é citado nas escolas?

Fontes:http:pasmosfiltrados.blogspot.com/2007_03_01_archive.html
Revista UP TAP PORTUGAL dezembro 2008

At the Opera

video

10 janeiro 2009

Associação dos Amigos dos Animais Abandonados da Moita

PRECISAMOS RAÇÃO - URGENTE

Com a chegada da data de entrega do terreno, ainda temos 19 cães para retirar e muitas outras coisas. Com a falta de canis, pois nos últimos meses muitos cães foram deixados amarrados ao nosso portão, tivemos de dividir á pressa várias boxes. Isso implicou gastar tudo o que tínhamos em material.

Hoje prevíamos trazer os restantes cães, mas o gerador avariou, sem ele não podemos terminar de soldar os canis que faltam para transferir os animais. O arranjo ronda os 100 euros. A Câmara vai começar a demolição esta semana!

Como um mal não vem só.... Temos ração para um dia!!
Por favor: AJUDE-NOS COM RAÇÃO
No próximo sábado, dia 10, continuamos a precisar de muita ajuda.
Precisamos especialmente de uma carrinha para as coisas mais pesadas.

Caixa Geral de Depósitos
NIB 0035 0579 00699924300-45
AAAAM - Associação dos Amigos dos Animais Abandonados da Moita
Contacto: animaisdamoita@sapo.pt
URL: http://aaaamoita.com.sapo.pt

--
http://aaaamoita.com.sapo.pt
http://lojinha-animaisdamoita.blogspot.com
aaaamoita@gmail.com
animaisdamoita@sapo.pt

06 janeiro 2009