26 janeiro 2007

Voltou...


















Pássaro azul

Azul.
Azul do céu e do mar.
Azul de mil cores,
que nos faz sonhar.
Pássaro azul do amor, da felicidade e da paz.
Tantos te procuram e não te encontram.
Onde, onde estás?
Pássaro do sonho e da fantasia,
de todos e de cada um.
Que do sonho irradia,
livre, solto e incomum.
Estás no coração de quem te
procurava e já te encontrou.
E no entanto não estás por vezes,
em lugar algum!


Teresa Nunes

8 comentários:

Francisco disse...

Alma perene, coração que amo.
Pena que me esqueças...

Anónimo disse...

Por vezes os fonemas de infância lembram-nos como é ser livre e feliz. Escrita elegante e candente dum espírito que parece procurar a luz na cela que o acorrenta.

José

Anónimo disse...

Não sei que dizer. Talvez, obrigada!?

Teresa.

Anónimo disse...

Se Teresa (?)

continue a escrita fina e fluente dum éter feminino (?) e a procura duma felicidade que não parece encontrar.

José F.

Anónimo disse...

José (?)
Sou feliz de muitas maneiras, embora haja sempre no ser humano alguma insatisfação e eu não fujo à regra. Hoje por exemplo senti-me feliz, por algo muito simples: as roseiras que, plantei há pouco tempo, começaram a a crescer e brevemente florescerão.

Teresa.

Anónimo disse...

Saiba Teresa (?) semear para colher !
Feliz o que entende e se alegra com as coisas simples da vida.
Aquele que não trata a terra terá o deserto, aquele que lançar e cuidar da semente terá o fruto do amor.

José F

Anónimo disse...

(Re)visitei hoje "os pássaros azuis" deste "blog" (virtual, mas feita por gente do mesmo espaço geográfico com quem me cruzei nos caminhos da vida). Talvez porque se queira perceber qual a felicidade que os outros procuram....sem nunca alcançar.
Continuem a interpretar os pequenos momentos, menores só no murmurar do tempo, porque também é deles e das verdadeiras afeições que se edificam as nossas mais gratas memórias.
Com amizade

José Fernandes

philos disse...

José:

Não sei que dizer, sinceramente. Por isso apenas digo obrigada.

Teresa.